Modernidade líquida: mudança nas relações pessoais

modernidade líquida

Talvez você já tenha ouvido falar do termo modernidade líquida e as relações pessoais da atualidade. Esse conceito, construído pelo sociólogo polonês Zigmunt Bauman (1985-2017) nos diz que, com a globalização, as relações se frouxaram, tornaram-se líquidas: nada mais é sólido, ao praticarmos o individualismo, favorecidos pelo uso excessivo da internet, em todos os âmbitos de nosso quotidiano.

A modernidade nos trouxe agilidade, rapidez na resolução de problemas relacionados à mobilidade e facilidade de comunicação. Mas as relações pessoais também passaram por algumas modificações que são nítidas e que, de certa forma, já se consolidaram na sociedade atual e cujos efeitos já podemos sentir entre nós.

Nesse mundo do imediatismo todas as relações se modificaram. Quase ninguém mais se esforça para resolver problemas em seus relacionamentos amorosos. Descartando-os, estamos blindados das dores causadas por eles, mas também dos seus prazeres.

Os conflitos, tão importantes para o amadurecimento de qualquer relacionamento, são descartados, como sendo empecilho, em vez de estímulo.  Se tornou comum, em torno de uma mesa de família ou de amigos, ver-se todos conectados. Mas não nas conversas e ideais, mas sim cada um, com seu celular, interagindo com pessoas que ali não estão ou até mesmo nem são seus conhecidos!

A modernidade nos relacionamentos

A tecnologia aproximou quem estava longe e distanciou quem está perto. As redes sociais são grandes veículos de comunicação e super eficazes quando uma ideia precisa ser espalhada, mas tornar as relações mais sólidas deve ser um exercício diário para todos!

Veja este comercial que deixa bem claro esse distanciamento das pessoas, entre si, com o uso dos celulares.

A comunicação é essencial para qualquer tipo de relação social. Mas nada substitui o abraço, o olhar e a respiração, para usufruir de tudo que está ao nosso redor.

Fortalecer os laços, criar vínculos e solidificar o amor deve fazer parte de nosso dia a dia, assim como usar o nosso celular.

Vamos fazer esse exercício?

Beijos,

 

 

 

Livro O homem, a Mulher e o Tempo

Livro O homem, a Mulher e o Tempo

Comprar

Não existe comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *