Movimento LGBT: origens, curiosidades e lições aprendidas

Movimento LGBT

Dia 17 de Maio celebramos o Dia Internacional contra a Homofobia, data comemorada pelo mundo inteiro. Foi neste dia, em 1990, que a homossexualidade deixou de ser uma doença pela ciência e se tornou, finalmente, o que ela sempre foi: apenas uma expressão saudável da sexualidade humana! Todos, LGBTs e simpatizantes da causa, precisamos comemorar e relembrar a população com um todo que a luta LGBT é uma luta da sociedade como um todo! Para isso, trazemos um pouco da história do movimento LGBT no Brasil, visando informar, propagar a cultura e demonstrar que o amor é para todos!

Não podemos refletir sobre a trajetória do movimento LGBT sem pensarmos olharmos para o passado. Menos ainda deixar de fazer referência a fatos que ocorreram fora do Brasil.

Somente no final da década de 1940 que se tem registros da criação da primeira organização destinada a desconstruir a imagem negativa da homossexualidade: o espaço chamado de COC (Center for Culture and Recreation), em Amsterdam. Já na década de 1950, na mesma trilha, o Mattachine Society, nascia. O grupo era clandestino e tinha como lideranças alguns articuladores da esquerda socialista norte-americana.

O movimento LGBT no Brasil e no mundo

As décadas de 1960 e 1970 marcaram uma crescente visibilização e radicalização desse movimento, caracterizadas por um discurso de autoafirmação e liberação.

O grande marco internacional do movimento homossexual nesse período, que perdura até hoje, foi a revolta de Stonewall. O nome da revolta se dá por conta do acontecimento no bar homônimo de frequência homossexual em Nova York.

Na época, a violência policial contra a comunidade gay era constante, uma vez que a homossexualidade era criminalizada. Os frequentadores do bar, constantemente abordados pela polícia, partiram para o confronto aberto com os policiais em 28 de junho de 1969. Essa data, inclusive, se internacionalizou como o “Dia do Orgulho Gay”.

O movimento LGBT brasileiro nasceu no final dos anos 1970. Esse surgimento desempenhou um papel crucial em como a população deve perceber e entender a sexualidade. Entender que os parceiros precisam ser vistos a partir de uma lógica igualitária e que a orientação do desejo se torna mais importante para nomeá-los do que os papéis sociais relativos a noções de masculino e feminino ou a atividade e passividade sexual.

Que não só no dia 17 de Maio comemoremos uma das vitórias do movimento LGBT, mas que em todos os dias estejamos engajados nessa busca pela desconstrução de preconceitos. A luta pelos direitos dos LGBT é uma luta de todos. Que o amor continue a vencer barreiras, quebrar conceitos ultrapassados e que inspire mais pessoas a tomarem atitudes e práticas que valorizem o que é natural à essência de cada um!

Reprodução Coração 4 de Thamy Albrecht

Reprodução Coração 4 de Thamy Albrecht

Comprar

Não existe comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *