Amazônia em Pé – Fundação Almerinda Malaquias

Salve, Glorioses! Hoje vou compartilhar com vocês a história de uma amizade surgida ao acaso mas que há mais de 20 anos gera frutos sólidos.

Tudo começou quando o marceneiro Miguel Rocha alugou seu barco ao suíço (também marceneiro!) Jean Daniel Vallotton, que precisava ir de Manaus a Parintins. Durante o trajeto, descobriram que, além da marcenaria, também compartilhavam preocupações sociais. 

A amizade se intensificou e, quando a filha de Miguel, a educadora Marta, contou ao novo amigo o desejo que seu pai tinha de ensinar a marcenaria para que as comunidades locais voltassem a gerar renda, utilizando os restos da construção naval, tudo fez sentido. 

Partindo do nada, eles fizeram a Fundação Almerinda Malaquias (FAM), nome em homenagem aos pais de Miguel. Como o próprio Jean descreve, esta é uma história de amor pela cultura, pela natureza e pelo ser humano. Assim, ele trouxe da Suíça uma parceria com a ONG Ailleurs Aussi, que viabilizou um espaço e a compra ou recuperação de equipamentos para darem as primeiras aulas. 

Num primeiro momento, quem chegava eram homens, buscando um novo ofício. Aos poucos, vieram as mulheres e os filhos, o que fez Marta perceber a necessidade de trabalhar a educação ambiental para todos, reconhecendo a enorme importância daquela localidade, a cerca de 180 km de Manaus, em uma região que dá acesso a dois dos mais importantes parques nacionais da Amazônia: o Parque Nacional de Anavilhanas, considerado o segundo maior arquipélago fluvial do mundo, com cerca de 400 ilhas, e o Parque Nacional do Jaú, o segundo maior parque nacional do Brasil, declarado pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade. 

Hoje cerca de 150 crianças e 20 famílias são atendidas pela Fundação, com foco em dois objetivos que se complementam: a geração de renda com baixo impacto ambiental e a educação ambiental de novas gerações, para que desenvolvam maneiras de preservação ambiental, manejo sustentável dos recursos naturais, reflorestamento, dentre outros. 

A expansão continuou acontecendo, trazendo a oportunidade de comercializar seus produtos e, por isso, criou-se a Associação Nov’ Arte. No espaço físico da Fundação, um terreno de 32 hectares de floresta em Pé batizado de Ekobé (“Vida” em Tupi-Guarani), é onde as oficinas acontecem e onde se instalou o ateliê da Nov’ Arte. 

Em duas décadas a Fundação Almerinda Malaquias (FAM) transformou a comunidade de Novo Airão, mais antiga do que a mais antiga capital brasileira (Barcelos – AM), que se encontrava totalmente devastada após a queda da borracha, no final dos anos 1940. Quando a Fundação surgiu, a cidade voltou a ter um polo produtivo e ganhou um ponto cultural. 

O espaço Ekobé ainda possibilitou outros avanços, como o ecoturismo e trilhas ecológicas, implementação de agricultura orgânica e apicultura, o reflorestamento de áreas degradadas e toda uma estrutura para que os moradores e turistas que chegam a Novo Airão vivenciam a experiência de uma vida sustentável no coração da Amazônia. 

FAM – Fundação Almerinda Malaquias | 3min from KATERRE on Vimeo.

Miguel e Jean continuam à frente do projeto, agora com um time de apoiadores e profissionais, alguns deles que um dia foram alunos. O projeto que os dois marceneiros criaram é mais do que um centro de formação, mas um exemplo de como o amor pode transformar nossa realidade e da nossa comunidade para melhor.

Um beijo e até a próxima Quarta Gloriosa.

 

 

 

 

 

 

 

Não existe comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux