Armazém do Campo

armazém do campo

Que tal comprar na cidade alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos, vindos diretamente de pequenos produtores rurais? Essa é a proposta do Armazém do Campo, que desde 2016 há reúne lojas em São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte e mais recentemente Rio de Janeiro. O Armazém foi criado pelo Movimento dos Sem-Terra há mais de 15 anos em Porto Alegre, chegando a São Paulo em 2016, e reúne em todas as suas filiais alimentos como legumes, arroz, feijão, grãos, leite e bebidas em geral, café, mel, geleias, e mais uma porção de alimentos produzidos por agricultores rurais, familiares e popular.

Armazém do Campo carioca (Foto: Pablo Vergara)

 

A importância do Armazém do Campo

A missão do Armazém é muito simples: reunir alimentação de qualidade, incentivar a produção rural e criar espaços culturais onde o debate sobre alimentos saudáveis e livres de agrotóxico seja possível. Uma vez que é difícil, e caro, encontrar nos grandes centros urbanos alimentos orgânicos e livre de veneno, os Armazéns surgem como uma ponte entre o morador da cidade e o morador do campo. Além do mercado, os Armazéns organizam eventos e também vendem materiais como camisetas, canecas, bonés e livros que falam sobre a alimentação livre de agrotóxicos e a história de luta dos trabalhadores do campo. É uma via de mão dupla que beneficia o morador da cidade, ao facilitar o acesso a esses produtos, e também o produtor rural por criar pontos de maior comercialização de sua produção.

A primeira filial foi em Porto Alegre, há mais de quinze anos e que tem o privilégio de estar instalado dentro do Mercado Municipal. As outras filiais são recentes, fruto de um movimento de expansão que surgiu em 2016 quando foi inaugurada a filial de São Paulo, seguida de Belo Horizonte e chegando ao Rio de Janeiro no último 15 de setembro com um “almoço da roça”. Em entrevista à Rádio Brasil de Fato, o organizador do Armazém, Paulo Ludwig Suptitz, contou como surgiu essa iniciativa:

Para chegar no Armazém é importante lembrar que existiu todo um processo de luta pela terra no Brasil, e esta é uma luta árdua e difícil. E quando o trabalhador se dedica à terra, imediatamente vem o desafio: em qual local vamos vender os produtos?

Armazém do Campo paulistano (Foto: Vanessa Martina Silva)

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) já constatou que o brasileiro consome cerca de 7,3 litros de pesticida por ano, um reflexo direto de nossa cultura produtiva que coloca o Brasil como maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Já falamos, aqui na Bemglô, sobre os perigos dessa alimentação, assim como também da evidenciamos a luta dos trabalhadores do campo.  Os agrotóxicos são toxinas que afetam o nosso organismo assim como contaminam o campo mesmo das plantações que não o utilizam mas são vizinhas.

Buscar uma alimentação saudável passa diretamente pelo consumo dos alimentos orgânicos e também pelos produzidos diretamente pelos pequenos agricultores, pois são esses que se posicionam contra a grande máquina que não só defende como pretende ampliar a produção agrotóxica em nosso país. Para mudar essa realidade, já está no Congresso Nacional o Projeto de Lei 6670/2016 que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNaRA). Clique aqui para assinar essa campanha.

Quer conhecer os Armazéns do Campo? Confira abaixo os endereços.

Porto Alegre: Galeria Mercado Público Central, s/n – Centro Histórico.

São Paulo: Alameda Eduardo Prado, 499 – Campos Elíseos.

Belo Horizonte: Avenida Augusto de Lima, 2136 – Barro Preto.

Rio de Janeiro: Avenida Mem de Sá, 135 – Lapa.

 

Não existe comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux